Personagem: Hércules Florence

1804 – Nice (França) – 29 de fevereiro – Nasce Antoine Hércule Romuald Florence
1807 – Mônaco (Principado de Mônaco) – Muda-se com a família para esta cidade.

1818 – Mônaco (Principado de Mônaco) – Trabalha como desenhista e calígrafo, recebendo encomendas das autoridades da cidade.

1822 – Nice (França) – Parte para esta cidade e se apresenta ao Cônsul francês com o intuito de alistar-se na marinha imperial. Consegue permissão para embarcar como passageiro na galeota francesa La Torche que segue para a cidade de Toulon

1823 – Toulon (França) – A bordo do navio Marie Thérèze, toma parte na batalha de Bloqueio a Barcelona, que precedeu a rendição de Cádiz, ocorrida em agosto deste mesmo ano. Trabalha a bordo como copista de plantas das fortificações espanholas

1823 – Toulon (França) – A fragata permanece ancorada por aproximadamente quatro meses preparando-se para uma nova viagem. Durante este período Hércules realiza exercícios de desenho e alguns retratos

1824 – Rio de Janeiro RJ – Chega a cidade a bordo do navio Marie Thérèze emprega-se como caixeiro numa casa comercial especializada em roupas, do francês Pierre Dillon, antigo secretário da Missão Artística de Joachim Le Breton.

1825 – Rio de Janeiro RJ – Trabalha por aproximadamente quatro meses na livraria e tipografia do francês Pierre Plancher sendo responsável pela execução de diversas litografias

1825 – Rio de Janeiro RJ – Integra, como segundo desenhista, a expedição científica de Georg Heinrich von Langsdorff.

1825 – Rio de Janeiro RJ – Em 3 de setembro parte a bordo da sumaca Aurora, juntamente com Langsdorff, Adrien Taunay, o astrônomo e oficial da marinha russa Nester Gavrilovich Rubtsov, o zoólogo Christian Hasse e Lüdwig Riedel, tendo como destino a Vila de Santos

1825 – Vila de Santos SP – Depois de permanecer por aproximadamente 20 dias na cidade separa-se dos demais membros da expedição e segue numa piroga para Cubatão. Durante a viagem executa desenhos do litoral paulista

1825 – Itu SP – Conhece as obras do Frei Jesuíno do Monte Carmelo. Apesar de ter gostado das imagens, faz críticas severas aos painéis. Conhece também as decorações feitas por José Patrício da Silva Manso, cujo talento elogia.

1829 – Rio de Janeiro RJ – Escreve, como parte de suas Memórias, os manuscritos de seu tratado intitulado Zoophonia

1829 – Vila de São Carlos (atual Campinas) SP – Convidado por Francisco Álvares Machado e Vasconcellos, fixa residência nessa cidade.

1830 – Vila de São Carlos (atual Campinas) SP – Passa a dedicar-se aos estudos de impressão com o intuito de publicar seu tratado sobre Zoophonia e cerca de 200 desenhos executados durante a expedição. Nesse processo, descobre uma nova maneira de obter a impressão que recebeu o título de Polygraphie [Poligrafia]

1830 – Vila de São Carlos (atual Campinas) – Redige entre os meses de julho e outubro o manuscrito intitulado Etudes de Ciels, À L’usage des jeunes paysagistes

1831 – Rio de Janeiro RJ – A tipografia R. Orgier publica o manuscrito do tratado de Zoophonia intitulado, Rocherche sur la viox des animaux, ou essai d’um nouveau suject d’ètudes, offert aux amis de la nature

1832 – Rio de Janeiro RJ – Envia à França, através de Edouard Pontois (Encarregado de negócios de França), o manuscrito onde detalha os processos da polygraphie [poligrafia], acompanhado por duas provas poligrafadas

1832 – Vila de São Carlos (atual Campinas) SP – Excuta trabalhos de pintura, que ele intitula Tableaux Transparents de Jour. A inovação técnica deste trabalho consiste na execução de um grande número de furos de minúsculo diâmetro sobre o desenho original nas áreas que representariam luzes ou reflexos.na imagem pictórica. Apreciados em um local escuro com a luz solar incidindo através de um foco dirigido, apenas sobre a pintura, resulta numa projeção exata da imagem pictórica original

1832 – Vila de São Carlos (atual Campinas) SP – Descobre a Photographie [Fotografia], através de desdobramentos de suas investigações a cerca das possibilidades de fixação das imagens com base na utilização de uma câmara escura. Com o auxilio dos conhecimentos químicos do boticário Joaquim Corrêa de Mello. Os experimentos são realizados sem que fosse conseguida a plena fixação das imagens até o ano de 1839

1833 – Vila de São Carlos (atual Campinas) SP – Obtém em 20 de fevereiro, através do uso de uma câmera escura a primeira fixação de imagem em papel, utilizando o nitrato de prata

1836 – Vila de São Carlos (atual Campinas) SP – Em viagem ao Rio de Janeiro adquire uma tipografia para conseguir executar o grande número de encomendas impressas que recebia

1837 – Vila de São Carlos (atual Capinas) SP – Executa a pedido do governo um mapa itinerário da província de São Paulo, impresso através do sistema de poligrafia

1849 – Campinas SP – Redige sua biografia (manuscrito) intitulada L’Ami des Arts livre à lui-même ou Recherches et découvertes sur différents sujets nouveaux. O texto traz informações biográficas, notas e ilustrações de seus inventos

1838 – Vila de São Carlos (atual Campinas) SP – Instala no Largo da Matriz a primeira tipografia da cidade

1839 – Campinas SP – Redige em março o manuscrito intitulado De La Compression du Gaz Hydrogéne, apliquée à la direction des aérostats

1839 – Itu SP – Toma conhecimento através de matéria publicada no Jornal do Comércio da cidade do Rio de Janeiro, da descoberta da fotografia levada a cabo pelo francês Daguerre

1839 – Campinas SP – Redige em maio o manuscrito intitulado Sur L’impression des tableaux à huile, ou estampes coloriées

1839 – Campinas SP – Redige em junho o manuscrito intitulado Fabrication au Métier des Chapeaux du Chili, et toute espèce de chapeaux de paille

1839 – São Paulo SP – Os periódicos Phoenix (nº 175, 26/10) e o Observador Paulistano, publicam artigo onde Hercule se posiciona diante da descoberta da fotografia na Europa e reafirma o caráter inventivo de seus trabalhos referentes a polygraphie [poligrafia] e a photographie [fotografia]

1839 – Rio de Janeiro RJ – O Jornal do Comércio em sua edição de 29 de dezembro, publica as transcrições dos artigos sobre a polygraphie [poligrafia] e a photographie [fotografia], que haviam sido publicados na Phoenix e anuncia a exposição de 22 provas poligrafadas na sede do jornal carioca

1840 – Rio de Janeiro RJ – O Jornal do Comercio em 10 de fevereiro, publica carta escrita por Hercule Florence onde ele comunica a descoberta da polygraphie [poligrafia] e menciona a possibilidade de ter sido um dos descobridores da photographie [fotografia]

1841 – São Paulo SP – A tipografia Costa Silveira publica Ensaio sobre a impressão das Notas de Banco por um processo totalmente inimitável

1842 – Campinas SP – Funda juntamente com o padre Diogo Antonio Feijó, o jornal O Paulista, primeiro periódico do interior da província de São Paulo que teve curta duração (apenas 5 números)

1843 – Turim (Itália) – A Academia de Ciências e Artes de Turim, declara em sessão realizada em 8 de janeiro, que o processo de impressão de notas bancárias inimitáveis, merece a proteção do governo da Sardenha

1843 – Rio de Janeiro RJ – A Academia Imperial de Belas Artes, em sessão realizada em 22 de novembro, através de uma comissão estabelecida pela Congregação de Lentes da instituição, se pronuncia favoravelmente à descoberta do novo processo de impressão de notas inimitáveis. Compõem esta comissão Auguste-Henri-Victor Grandjean Montigny, Zepherin Ferrez e seu aluno José da Silva Santos.

1848 – Campinas SP – Desenvolve um processo de simplificação do trabalho de composição tipográfica, intitulado Typos-syllabas, que se constitui a parti da união de cada uma das consoantes com uma vogal, formando sílabas em um único tipo.

1848 – Campinas SP – Publica em sua tipografia um memorial intitulado Emprego dos Typos-syllabas.

1852 – Campinas SP – Idealiza uma sexta forma de arquitetura a qual dera o título de Ordem Brasileira ou Palmiana, baseada na utilização das palmeiras brasileiras, cuja aplicação, de acordo com o tipo da palmeira se daria na constituição de colunas, capitéis, arcadas e abóbodas Em seus apontamentos referentes ao período da expedição durante a passagem pela região da Chapada dos Guimarães MT, já cita essa idéia.

1856 – Campinas SP – Adquire a Fazenda Soledade, onde passa a se dedicar a agricultura.

1858 – Santos SP – A Thipographia Commercial, G. Delius, publica um pequeno folheto composto por 10 páginas, intitulado Invenção da Polygraphia, por Hercules Florence.

1858 – Campinas SP – Consegue aprimorar seu invento de impressões inimitáveis através da adição de um sistema que permitia a fusão de cores.

1859 – Campinas SP – Desenvolve a Estéreopintura, processo através do qual se pode obter maior fidelidade luminosa da execução de pinturas a óleo ou aquarela.

1860 – Campinas SP – Desenvolve a Pulvographia, processo que consiste na reprodução de imagens através da ação da poeira, sem a necessidade do emprego de prensa.

1860 – Campinas SP – Redige o manuscrito intitulado Cellographie.

1861 – Campinas SP – Aprimora a polygraphie [poligrafia] criando a possibilidade da sua realização sem a necessidade do emprego de uma prensa.

1862 – Campinas SP – Redige o manuscrito intitulado Les Intérêtes materiéles.

1863 – Campinas SP – Funda em 30 de novembro, juntamente com sua esposa Carolina Krug Florence, o Colégio Florence, situado na Rua José Paulino e dedicado à educação feminina. Hercule executa um desenho retratando o prédio do colégio.

1865 – São Paulo SP – Conhece Alfredo D’Escragnole Taunay, sobrinho de Adrien Taunay

1865 – Campinas SP – Redige o manuscrito intitulado Aquarrélographie

1866 – Campinas SP – Redige o manuscrito intitulado Probléme Poly-Photographique

1869 – Campinas SP – Redige o manuscrito intitulado Lavis Capillaire

1875 – Rio de Janeiro RJ – Alfredo d’Escragnolle Taunay traduz o diário de Florence Esboço da Viagem feita pelo Sr. Lagsdorff ao interior do Brasil, desde setembro de 1825 até março de 1829, publicando-o na Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, Os tomos 38 e 39 sob o título de A Expedição do Cônsul Langsdorff ao interior do Brasil, são a tradução do manuscrito que Florence deu a seu pai, Félix Emilie Taunay, durante sua visita ao Rio de janeiro no ano de 1829

1877 – Rio de Janeiro RJ – É admitido como sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil tendo apresentado trabalho intitulado Esboço da viagem feita pelo Sr. De Langsdorff no interior do Brasil, desde Setembro de 1825 até março de 1829

1879 – Campinas SP – 27 de março – Morre e é enterrado na cidade de Campinas o desenhista, pintor, fotógrafo, tipógrafo, litógrafo, professor, inventor.

Seu túmulo no Cemitério da Saudade em Campinas; quadra 14 sepultura 246.

É nome de rua em Campinas e tem seu hermas no Largo São Benedito.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: