Archive for dezembro 30, 2006

Curiosidades: Meados do século XIX – Antigas Casas Comerciais

Raphael Duarte, saudoso historiador e conterrâneo deixou registrado sobre os comerciantes que há muito abriram suas casas de negócios em Campinas. Tais registros estão em seu livro “Campinas de outr’ora”, editado em São Paulo, pela typographia Andrade & Mello em 1905.


Nesta preciosa obra, de minha biblioteca particular, conta sua história vivida pelo antes e pós meados de 1850 e faz homenagem à seus pais: Joaquim Carlos Duarte e Anna Francisca de Andrade Duarte; seus padrinhos Barão e Baronesa de Atibaia; e ainda a seu sogro Custódio Manoel Alves.


Seguem tais registros retirados diretamente da obra e ainda inspirado em artigo de 1968 de outro saudoso campineiro e historiador; José de Castro Mendes:

“Grande foi o número de campineiros que tiveram lugar saliente entre os negociantes dos bons tempos, mas, impõe-se-me a imparcialidade de declarar, que, com justiça cabe ao português a primazia neste ramo de atividade.

Para não falar em muitas, o que ocuparia um tempo longo, vou consignar o nome de algumas casas dentre as mais importantes que em Campinas houve.

Assim foi que em 1840, se estabeleceram em sociedade Manoel Roso e Manoel Cordeiro, cuja firma se dissolveu em 1852, ficando com o estabelecimento sob a firma de Roso & Santos, o coronel Joaquim Quirino dos Santos Junior e Manoel de Araujo Roso, abrindo nova casa corm o mesmo ramo de comércio o ex-sócio Manoel Cardoso.

E primeira farmácia que tivemos foi em 1842 do glorioso botânico Joaquim Corrêa de Mello, seu Joaquimzinho (sic) da Botica; como o povo o denominava. Em 1846, estabeleceu-se a segunda farmácia, de Jorge Krug (este irmão de Carolina Florence e cunhado de Hércules Florence).

Entre os anos de 1850 e 1860, abriu a sua loja de fazendas e armarinho, o seu Polydoro, Antonio Francisco do Amaral Gurgel. Em 1853, entre outros, estabeleceram-se José Rodrigues Ferraz do Amaral, e Antonio Joaquim Gomes Tojal; em 1854 o capitão Antonio Quirino dos Santos, sendo todos estes estabelecimentos de secos e molhados, em grosso e a retalho, bem como de ferragens.

Em 1856, foram criadas muitas lojas de fazendas, finas e grossas, e tambem de armarinhos, tais como as do Polycarpo Alves Cruz, ao depois do caixeiro Agostinho de Magalhães, de Campos Junior, Irmão & Cia., de Joaquim Antonio Hodrigues, Antonio Ferreira Cezario, Manoel J. Lopes dos Santos e muitas outras. Em 1857 as de Joaquim Gabriel de Castro, Joaquim Antonio Batista e Costa, José Delmont, Francisco de Assis MeIlo, Antonio de Abreu Sampaio; as de Fidelis Machado, Joaquim Theodoro Alves os santistas Ragio & Irmão. As de Francisco Gonçalves Ferreira Novo e João Nobrega (João do Piques) já existiam em data anterior a 1857.

As de Antonio Francisco de Amaral Gurgel e João Fortunato Ramos dos Santos foram das mais antigas. Tivemos também a Loja Monstro, dos srs. Pompeu Pacheco & Comp., assim chamada por terem os sócios formado capital de 12 contos de réis que, para aquele tempo, se considerava um grande capital! Acresce que o sortimento ainda foi muito maior ao correspondente em fundos, onde o aperto dos sócios que traspassaram a loja ao capitão Joaquim Correia Dias (o Alferinhos), o qual se manteve por muitos anos.

As maiores casas havidas por esse tempo, eram as de Raggio & Irmão – Roso & Santos – Francisco G. F. Novo — Almeidinha – Joaquim Teodoro Alves – Antonio de Abreu Sampaio, a de ferragens de José Artegas e a do Maneco Pelote.

Em 1865, a Loja do Sol – o Sol nasce para todos (prédio que existia à rua Dr. Quirino) de Manoel J. Pereira Villares – as de João Alves, Joaquim P. de Oliveira Nunes – o armazém do Pingurra (Antonio Monteiro de Carvalho e Silva), Duarte Rezende, Pedro Kyel, Luiz Pupo de Moraes, e assim outras em Santa Cruz, como as do Zimbres, a Loja do Boi. Lembro-me mais da loja de Aranha Irmão & Comp., bem como do armazém do Ladeira e a loja do Domingos Roso, que são de muito mais remota criações”.

Anúncios